sábado, 29 de outubro de 2011

El Cuarteto De Nós - Ya no sé qué hacer conmigo/Já não sei o que fazer comigo



Já tive que ir obrigado à missa, já toquei piano Para Elisa
Já aprendi a falsear meu sorriso, já caminhei pelo beiral
Já mudei minha cama de lugar, já fiz comédia, já fiz drama.
Já fui centrado e avuado, já passei por bom e já tive má fama.

Já fui ético e fui errante, já fui cético e fui fanático
Já fui abúlico, fui metódico, já fui impudico e fui caótico.

Já li Artur Conan Doyle, já passei de gasolina a diesel.
Já li Breton, e Moliere, já dormi em colchão e em estrado.
Já mudei a cor do cabelo, já fui contra e fui a favor.
O que me dava prazer agora me dá dor, já estive do outro lado do mostrador.

E escuto uma voz que me diz sem razão
Você sempre mudando já não muda mais
E eu estou cada vez mais igual
Já não sei o que fazer comigo.

Já me afoguei em um copo de água, já plantei café em Nicarágua
Já fui tentar a sorte em USA, já joguei roleta russa
Já acreditei em marcianos, já fui ovo lacto vegetariano
São, fui quieto e fui cigano, já estive tranquilo e já estive em prantos.

Já fiz curso de mitologia, mas de mim os deuses riam.
Metalurgia passei raspando e ritmologia aqui estou aplicando

Já provei, já fumei, já bebi, já deixei, já assinei, já viajei, já bati.
Já sofri, já iludi, já fugi, já assumi, já fui, já voltei, já fingi, já menti.

E entre tantas falsidades, muitas das minhas mentiras já são verdades.
Fiz facilmente adversidades, e me compliquei nas ninharias.

E escuto uma voz que me diz sem razão
Você sempre mudando, já não muda mais
E eu estou cada vez mais igual
Já não sei o que fazer comigo.

Já fiz um lifting, coloquei piercing, fui ver o Dream Team, e não houve feeling
Me tatuei o Che em uma nádega, encima de mami para que não saia
Já ri e não me importei de coisas e pessoas que agora me dão medo
Fiz jejum por qualquer causa, já me entupi com frango de padaria

Já fui ao psicólogo, fui ao teólogo, fui ao astrólogo, fui ao enólogo
Já fui alcólatra e fui careta, já fui anônimo e já fiz dieta
Já joguei pedras e cusparadas em lugares onde agora trabalho
E meu legado conta com o empenho, que me comportei bem e já surtei

E escuto uma voz que me diz sem razão
Você sempre mudando, já não muda mais
E eu estou cada vez mais igual
Já não sei o que fazer comigo.

Original....................................................................................

Ya tuve que ir obligado a misa, ya toque en el piano "Para Elisa"
ya aprendí a falsear mi sonrisa, ya caminé por la cornisa.
Ya cambié de lugar mi cama, ya hice comedia ya hice drama
fui concreto y me fui por las ramas, ya me hice el bueno y tuve mala fama.

Ya fui ético, y fui errático, ya fui escéptico y fui fanático
ya fui abúlico, fui metódico, ya fui impúdico y fui caótico.
Ya leí Arthur Conan Doyle, ya me pasé de nafta a gas oil.
Ya leí a Bretón y a Moliere, ya dormí en colchon y en somier.

Ya me cambié el pelo de color, ya estuve en contra y estuve a favor
lo que me daba placer ahora me da dolor, ya estuve al otro lado del mostrador.

Y oigo una voz que dice sin razón
"Vos siempre cambiando, ya no cambiás más"
y yo estoy cada vez más igual
Ya no se que hacer conmigo.

Ya me ahogué en un vaso de agua , ya planté café en NIcaragua
ya me fui a probar suerte a USA, ya jugué a la ruleta rusa.
Ya creí en los marcianos, ya fui ovo lacto vegetariano.
Sano, fui quieto y fui gitano, ya estuve tranqui y estuve hasta las manos.

Hice el curso de mitoligía pero de mi los dioses se reían.
Orfebrería lo salvé raspando y ritmología aqui la estoy aplicando.

Ya probé, ya fumé, ya tomé, ya dejé, ya firmé, ya viajé, ya pegé.
Ya sufrí, ya eludí, ya huí, ya asumí, ya me fuí, ya volví, ya fingí, ya mentí.

Y entre tantas falsedades muchas de mis mentiras ya son verdades
hice fácil adversidades, y me compliqué en las nimiedades.

Y oigo una voz que dice con razón
"Vos siempre cambiando, ya no cambiás más"
y yo estoy cada vez más igual
Ya no se que hacer conmigo.

Ya me hice un lifting me puse un piercing, fui a ver al Dream Team y no hubo feeling
Me tatué al Che en una nalga, arriba de mami para que no se salga.

Ya me reí y me importó un bledo de cosas y gente que ahora me dan miedo.
Ayuné por causas al pedo, ya me empaché con pollo al spiedo.

Ya fui psicólogo, fui al teólogo, fui al astrólogo, fui al enólogo
ya fui alcoholico y fui lambeta, ya fui anonimo y ya hice dieta.

Ya lancé piedras y escupitajos, al lugar donde ahora trabajo
y mi legajo cuenta a destajo, que me porté bien y que armé relajo.

Y oigo una voz que dice sin razón
"Vos siempre cambiando, ya no cambiás más"
y yo estoy cada vez más igual
Ya no se que hacer conmigo.

0 comentários: