quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Tabaré Cardozo - Todo El Mundo Tiene/Todo Mundo Tem



Todo mundo tem, teve, tem ou pôde ter
Todo mundo tem, quase todo mundo deve ter

Um avó imigrante e um amigo que se foi
Um tia cabeleireira, uma conta no fim do mês
Um guarda-chuvas que nao é seu, uma irmã para cuidar
Uma história de marcianos e uma vara de pescar
E esse tipo gordo e velho que nao para de roncar

Um sogro que se empolga e começa a recitar
Um parente sedicioso e um parente militar
Uma prima que se divide, e uma rixa familiar
Um padrinho mentiroso, que te leva a debutar
E uma tia religiosa que não para, que não para de rezar

Todo mundo tem, teve, tem ou pôde ter
Todo mundo tem, casi todo mundo deve ter

Um vizinho bugiganga que em doença morreu
A historia de algum primo que nao pôde ser campeão
Um amigo que ficou rico e deixou de cumprimentar
E um bêbado, velha e mendigo que esta louco de estudar
E uma cabala infalível que não para, que não para de falhar

A vizinha que organiza a reunião de tupperweare
Um cunhado que fica bêbado e se veste de mulher
Um sobrinho karateca, um amor de carnaval
Varias noite de fracasso e uma noite de galá
E um patrão filho da puta que não para, que não para de roubar!

Todo mundo tem, teve, tem ou pôde ter
Todo mundo tem, casi todo mundo deve ter

Meio trevo num livro, um troféu num canto
Varios idolos caídos e uma carta numa caixa
Um abraço que não chega para aquele que ja não está,
Uma ferida nas costelas e uma flor no botão
E essa lagrima teimosa que nao para que nao para de sangrar

Original............................................................

Todo el mundo tiene, tuvo, tiene o pudo tener.
Todo el mundo tiene, casi todo el mundo suele tener.

Un abuelo inmigrante y un amigo que se fue,
una tía peluquera, una cuenta a fin de mes,
un paraguas que no es suyo, una hermana que cuidar,
una historia de marcianos y una caña de pescar.
Y ese tío gordo y viejo que no para que no para roncar.

Un consuegro que se adoba y se pone a recitar,
un pariente sedicioso y un pariente militar,
una prima que se parte, una riña familiar,
un padrino mentiroso, que te lleva a debutar.
Y una tía religiosa que no para que no para de rezar.

Todo el mundo tiene, tuvo, tiene o pudo tener.
Todo el mundo tiene, casi todo el mundo suele tener.

Un vecino boxindanga que en la llaga se murió,
una historia de algún primo que no pudo ser campeón,
un amigo que hizo guita y dejó de saludar,
y un borracho, vieja y pichi que está loco de estudiar.
Y una cábala infalible que no para que no para de fallar.

La vecina que organiza la reunión de tupperweare,
un cuñado que se empeda y se viste de mujer,
un sobrino karateka, un amor de carnaval,
varias noches de fracaso y una noche de galán.
Y un patrón hijo de puta que no para que no para de robar.

Todo el mundo tiene, tuvo, tiene o pudo tener.
Todo el mundo tiene, casi todo el mundo suele tener.

Medio trébol en un libro, un trofeo en un rincón,
varios ídolos caídos, una carta en un cajón,
un abrazo que no llega para aquél que ya no está,
una herida en el costado y una flor en el ojal.
Y esa lágrima porfiada que no para que no para de sangrar.

0 comentários: