domingo, 15 de julho de 2012

Vinil vs CD (Audio Digital): Uma Análise Objetiva

por Teo Oliver

Num primeiro momento a ideia era fazer um trabalho explicando tudo ponto a ponto, aprofundando em toda a parte matemática. Mas existe tanto material sobre o assunto, que resolvi apenas deixar indicado alguns deles para quem quiser se aprofundar mais e sendo assim, me permito ir direto ao ponto. Dessa forma, fica mais fácil para todo mundo entender.

Primeiro quero esclarecer alguns conceitos:


Bit Rate: O Bit Rate, em audio, é relativo à amplitude da onda ou à faixa de dinâmica do som, ou seja, a diferença entre o som mais baixo e o mais alto. Quanto maior o Bit Rate, maior essa diferença.


O ser humano consegue perceber uma faixa dinâmica de até 140 Db.

Numa orquestra, por exemplo, essa diferença chega à 98Db.




Sample Rate ou Taxa de Amostragem: A taxa de amostragem tem a ver com a resolução da onda (som). Para se aprofundar mais nesse assunto, teríamos que falar de Derivadas, Integrais e algumas formulinhas complicadas. 

De qualquer forma, resumindo (e muito) é assim que funciona: O “captador de som digital” (conversor analógico digital), tem um clock interno, uma espécie de relóginho. A cada clique do relógio ele anota a cordenada XY do ponto da onda naquele instante. Juntando todos esses pontos, formamos o “desenho” da onda original. Se o clock for baixo, a onda tem uma amostragem baixa, tendo assim pouca relação com a onda original, formando um desenho distorcido, menos arredondado ou mais quadrado por assim dizer (foto). Quanto maior a amostragem, maior a semelhança com a onda original. (Foto)


Segundo o teorema de Nyquist, para termos uma amostragem com a menor perda de informação, temos que ter uma taxa de amostragem com pelo menos o dobro das frequências que queremos captar. Se o limite da audição humana chega a 20Khz, temos que ter uma taxa de amostragem de pelo menos 40Khz(40.000Hz) para ouvirmos esses últimos agudos com perfeição.

Entendido tudo isso, vamos ao que interessa:

O Cd tem como padrão um Bit Rate de 16 Bits e um Taxa de Amostragem de 44.100Hz, ja o Dvd tem seu formato em 16Bit e 48.000hz . Sendo assim, o cd consegue reproduzir com perfeição frequências até 22.050hz e tem faixa dinamica de 96Db. O Dvd 24.000hz e 144Db.

Obs: Durante introdução do Cd no mercado existiam cds em formato 10 ou 12 Bits...mas logo se estabeleceu o padrão de 16 Bits. Alguns dvds
podem chegar a 24bits e 96hz.
O Disco de Vinil,  chega a aproximadamente 80 Db de faixa dinâmica (podendo chegar a 120db em condições ultra favoraveis) ja o cd, como ja dissemos chega brincando a 96 Db.
Com relação à faixa de frequências, teoricamente pode reproduzir agudos em até 45Khz (alguns dizem que ate 100Khz). É justamente nesse aspecto que os defensores do vinil se prendem mais, já que quando comparado com o Cd, apresenta um diferença técnica notável. Apesar disso, não existe prova de que algum ser humano consiga de fato ouvir mais do que de 20Khz (Sendo muito generoso 22Khz). Por tanto, acho que existe um efeito placebo ai.

Por outro lado, é comum sacrificar os Graves (Low End) no Vinil (link).
Explico: No LP, o som é reproduzido conforme a agulha passa pelos sulcos. Quando maior a frequência que se deseja reproduzir, maior o sulco e quanto maior o sulco, maior o espaço ocupado pela faixa no disco. Para poupar espaço de forma a inserir mais faixas, é comum que se sacrifice alguns graves ou sub-graves.



Por tanto, ao ouvir uma orquestra por exemplo, a experiência é muito mais fiel com o Cd.


Vale a pena dizer que hoje em dia, o audio digital pode ser gravado com sample rate de 88.000Hz ou ate 192.000Hz, chegando a reproduzir facilmente ate 96Khz. Além disso, tbm pode ser gravado com um Bit Rate de 32Bit ou superior, tendo uma faixa dinâmica  que chega a quase 190Db.

Conclusao Objetiva: A mídia digital tem uma resolução (correspondência) muito maior com o som original do que as midias analógicas. O meio digital tem potencial para gravar e reproduzir com muito mais fidelidade do que em qualquer outra midia disponivel hoje em dia.

Na luta Vinil vs Cd, em termos tecnicos e objetivos, fica claro que o CD tem maior qualidade e fidelidade do que o disco de Vinil.

.......................................................................................................................................................................................

Ps: Não vejo problema nenhum em preferir o som do Vinil, da fita, do radio, de Mp3 ou do que quiser. Mas temos que ser mais claros e objetivos com relação a isso. Não pemos estabelecer uma relação de melhor ou pior quando se trata de uma análise subjetiva. Se for o caso, precisamos de um análise objetiva e criteriosa, como a feita nesse texto. Num ponto de vista de qualidade tecnica, Cd é sim melhor do que o Vinil e arquivos digitais gravados com altissimo Bit e Sample Rate mais ainda.

Agora você pode continuar falando que prefere o Vinil, mas que fique claro que é uma questão de gosto, não técnica.

Algumas Fontes:

http://www.eca.usp.br/prof/iazzetta/tutor/audio/a_digital/a_digital.html
http://wiki.hydrogenaudio.org/index.php?title=Myths_%28Vinyl%29]
http://www.physicsclassroom.com/class/sound/u11l2b.cfm
http://www.emusician.com/techniques/0768/mastering-vinyl/134677
http://totalsonicmastering.com/vinyl.htm
http://www.gearslutz.com/board/mastering-forum/101371-preparing-vinyl-master.html
http://www.synthgear.com/2010/audio-gear/record-grooves-electron-microscope/
http://www.youtube.com/watch?v=cIQ9IXSUzuM
http://www.vox.com/2014/4/19/5626058/vinyls-great-but-its-not-better-than-cds
http://wathifi.tumblr.com/
http://mic.com/articles/104250/what-the-internet-has-done-to-your-love-of-music
http://people.xiph.org/~xiphmont/demo/neil-young.html 
http://www.giganticsoftware.com/2015/05/11/whither-ultrasonic-what-experts-can-really-hear/?utm_source=linkedin&utm_medium=post&utm_campaign=whither%20ultrasonic 
http://gizmodo.uol.com.br/transformada-fourier-usos/ 
https://www.youtube.com/watch?t=285&v=GuCdsyCWmt8 
https://www.coursera.org/learn/pds/home/welcome

11 comentários:

Anônimo disse...

Animal.

Anônimo disse...

Parabéns! Enfim um texto elucidador sobre essa questão.

EAX disse...

Todo formato digital realiza de maneira inevitável uma compressão do áudio. Nesse sentido, por mais que consiga clareza ou pureza no registro em termos de palco sonoro e ambiência jamais poderá ser comparado ao som analógico. Que é de fato a reprodução real do som, sem compressão e etc. Daí o equívoco desta comparação. Jamais vi alguém que tenha ouvido um som analógico em condições razoáveis que tenha preferido o som do cd. Mas, cada um tem suas vantagens, o cd prima pela praticidade e isso é inequívoco. Vai do gosto e disposição do apreciador de música em lidar com estes formatos.

Anônimo disse...

(não sou defensor do vinil) porém quando convertido um som analógico, para um meio digital existe perdas, dependendo da banda, como por exemplo pink floyd,alguns efeitos não são ouvidos na versão em cd dos albuns da banda, é coisa de gente chata, mas eles não estão falando bobagens,a diferencia é sensível mas existe. De qualquer forma, foi um execelente post, tem várias informações interessantes

Bruno M. Dachi disse...

Reportagem superficial. Não abordou todos os aspectos, tal como a gravação física. Para resumir, no vinil essa gravação é contínua, enquanto que no CD a música é gravada intermitentemente; isso causa, ainda que imperceptivelmente, contínuas e frequentes falhas no áudio. Mas mesmo imperceptíveis individualmente, o conceito final de que a qualidade do áudio no vinil é muito superior do que no CD se deve ao panorama geral do somatório destas falhas.

Rogério Rilhas disse...

No fim de redigir o meu comentário este foi rejeitado pelo site. Por isso disponibilizei-o em:

http://www.rilhas.com/comment_vinil_vs_cd.html

teo.liz.oli disse...

Rogério Rilhas, gostei muito do seu comentário, você se importa de eu publica-lo no blog como um post? Com todos os devidos créditos claro. Eu não concordo com tudo, claro, mas a ideia aqui é justamente trocar ideias e aprender.

Tenho que publico como postagem por conta do tamanho mesmo...tudo bem?

Agradeço muito a atenção que você deu, sendo bem detalhado no comentário. Ainda vou ter que reler com mais cuidado e pesquisar todos os ponto que você chamou atenção, quem sabe publico inclusive uma errata caso necessário.

Um abraço!

Anônimo disse...

E esta comparação da revista Veja? http://veja.abril.com.br/noticia/vida-digital/hra-o-formato-digital-que-devolve-a-musica-sua-pureza-original

Gilvampiro disse...

Parabéns, o digital é superior, estudei na faculdade, o problemas da maioria das pessoas que elas acham que tudo que elas tem ou gostam seja melhor.

Ricardo da Silva disse...

Quem ja ouviu Roberto Carlos em Lp e em CD sabe que o CD poe toda essa teoria no lixo. Duvido que alguém seja capaz de dizer que Roberto é melhor em Cd.
Muita gente que defende o CD nunca ouviu as duas midias do mesmo disco para falar o que realmente é melhor!!!!

Roberto disse...

Acontece que o CD toca diferente em vários tipos de DAC, por exemplo, um CD tocado no seu minisystem Aiwa vai ter um som diferente se tocado no DVD player, Cd player Cambridge, etc... Comparar um vinil tocado em um toca disco caro com um CD tocado em um aparelho vagabundo não vale. Tem que comparar os dois em bons sistemas. Eu estou abandonado o vinil pois é muito estresse e dinheiro gasto.